Marca de celular Palm

homem segurando mini aparelho da Marca de celular Palm

A trajetória de uma empresa por trás dos dispositivos que estão em sua mão agora é o que você vai encontrar neste artigo. Ele trata da marca de celular Palm. Como a gente tem comentado em diversas oportunidades, um produto não tem significado apenas pelo valor financeiro.

Por isso, os artigos que você lê aqui têm muita informação sobre as empresas que produzem os smartphones que, por sua vez, são o centro dos textos. Dessa maneira, ao adquirir um dispositivo, você, leitor, vai dispor de todo o conteúdo do aparelho além das peças que o compõem.

Vai conhecer como a empresa se relaciona com seus clientes em momento de necessidade de troca de aparelho, como reage perante problemas de mercado, como atua diante das necessidades de cada usuário.

Nesse cenário, conheça aqui a marca de celular Palm e se surpreenda com “esse desconhecido dispositivo móvel”. Vai também conhecer um novo conceito em termos de celular, isto é, o “celular acompanhante”.

Como nasceu a marca de celular Palm

A marca de celular Palm esteve sempre presente na tecnologia em geral.
A marca de celular Palm esteve sempre presente na tecnologia em geral.

Talvez o nome “Palm” não esteja plenamente instalado no universo dos celulares no Brasil. Nem no universo da cabeça dos consumidores. Afinal, smartphones com sistemas operacionais Android e iOS se transformaram em dispositivos quase obrigatórios na lembrança dos usuários de tecnologia móvel. Porém, há poucos anos, esse cenário era bastante diferente.

Nele, isto é, naquele cenário, a marca de celular Palm tinha destaque realmente admirável. E não apenas no nicho de mercado de celulares, mas no de tecnologia da informação de maneira geral.

A empresa foi fundada em 1992 nos Estados Unidos e nasceu “Palm Computing Inc.”, que era seu nome real, por meio de Jeff Hawking. Começou a ser conhecida quatro anos depois, quando entrou com tudo no mercado ao lançar o Palm Pilot, seu PDA inicial.

Tratou-se de uma espécie de “computador de bolso”. Ele gerenciava informações pessoais, como agendas, e-mails, calendários, pequenos textos etc. Em princípio, os produtos eram voltados às companhias; entretanto, o sucesso fez a empresa criar versões para o dia a dia pessoal do cidadão.

Assim, seus produtos tiveram ascensão rápida no mercado de consumo e ganharam forte espaço nos hábitos dos consumidores. Isso se deu especialmente com as linhas Zire e Pilot, que fizeram sucesso absoluto num mercado especial.

O mundo vivia na expectativa de avanços cada vez mais inteligentes e eficazes nas questões de informações pessoais. Assim, os conhecidos “Assistentes Pessoais Digitais – PDAs”, carros-chefe das linhas Zire e Pilot, subiram no conceito dos usuários à velocidade intrigante.

Para você ter uma ideia, até mesmo os grandes fabricantes de aparelhos enfrentaram problemas terríveis nesse nicho. Então, gigantes como a Apple (com seu Newton) fracassaram alarmantemente.

Problemas com tendência com a marca de celular Palm

Porém, o mercado de tecnologia da informação – especialmente o de dispositivos móveis – é intensamente dinâmico. A gente já teve chance de alertar sobre essa característica em diversos artigos. Então, os grandes vilões da trajetória da marca de celular Palm entraram em cena.

Os chamados “telefones inteligentes”, equipados com funcionalidades das mais diversas nascidas no poder das gigantes Google e Apple , passaram a ganhar espaço. Assim, a partir do início desta década, a Palm sentiu o baque e seu sucesso começou a fazer parte do passado.

Tão passado que a marca desapareceu do mercado.

Em tempos anteriores, celulares eram apenas isso: telefones com algumas operações como diferencial. Ou seja, podiam fazer ligações, controlar minimamente algumas agendas, marcar número de chamadas etc. Nesses tempos, a Palm foi grandiosa com seus dispositivos.

Eram anos em que as pessoas ainda mantinham notebooks robustos como elemento de ostentação. Os PDAs da marca de celular Palm tinham ganhado atenção especial no dia a dia dos usuários.

A paralelo, outros projetos da empresa se tornaram interessantes até mesmo para alguns concorrentes. Assim, sistemas como o “WebOS” foram usados (e ainda são) em TVs inteligentes.

O “antes” dos smartphones

A qualidade e eficiência dos produtos da marca de celular Palm eram evidentes. Entretanto, os preços eram o instrumento de atração que a empresa usava para compor sua carteira de clientes. E isso durou muitos anos.

Além disso, a empresa também foi pioneira na oferta de muitas tecnologias que, para o momento do mercado, significavam avanços extraordinários.

Assim, a linha Pilot chegou ao público de forma arrebatadora. A tecnologia HotSync usada era capaz de sincronizar equipamentos via cabo serial. A empresa criou um sistema de reconhecimento de números, letras e gestual chamada Graffiti.

Os gestos eram captados em determinada área específica do display. A eficiência da ideia da empresa foi inclusive usada pela já grande Apple na produção de seu computador portátil Newton.

Outra novidade da marca de celular Palm foram seus PDAs com internet acessada por wi-fi. Chamou-se Palm VII. Além disso, também lançou sistemas operacionais para smartphones, conhecidos como PalmOS e WebOS.

Novos donos, novas ideias

A história da marca de celular Palm é repleta de altos e baixos. Dependendo do ponto de vista, teve mais baixos que altos. Por exemplo, ao longo dos anos, a empresa enfrentou diversos desentendimentos. Isso resultou em impressionante quantidade de trocas de comando.

As mais expressivas foram:

  • A U. S. Robotics Corp. adquiriu a Palm em 1995. Isso foi antes do lançamento da linha Pilot
  • Pouco mais de dois anos depois, a 3Com fez oferta irrecusável e, novamente, a marca de celular Palm passou por mãos de terceiros. Assim, por um bom tempo, ela foi subsidiária, ainda que com gestão própria
  • Logo depois, ainda, a PalmOne voltou a ser Handspring. E, mais alguns poucos anos seguintes, em maio de 2005, as empresas de tornaram uma só novamente. Foram reunidas para fabricar os smartphones Palm Treo e Palm Pre
  • Já em 2010, foi a vez da multinacional HP comprar a empresa (você vai ler sobre isso mais abaixo)

Quanto aos fundadores da Palm, tomaram a iniciativa de criar outra empresa, a Handspring, logo depois que a 3Com adquiriu a empresa original. Com ela, lançou a linha de smartphones Treo com o PalmOS. Posteriormente, ela foi dividida. Criaram-se a PalmSource e a PalmOne.

A primeira se imcumbiu do desenvolvimento, licenciamento e comercialização do sistema operacional PalmOS; a segunda tinha responsabilidade sobre criação do hardware para o sistema operacional.

Mudança de estratégias da marca de celular Palm

A marca de celular Palm precisou alterar seus planos depois do sucesso fenomenal dos smartphones. Ela encerrou a fabricação de PDAs. A nova visão da empresa se voltou para produção de celulares com o sistema WebOS. A estratégia da empresa foi muito bem aceita no mercado, bem como seus celulares.

Contudo, ainda que as impressões do mercado fossem excelentes, houve determinados equívocos que nada tinham a ver com as estruturais dos produtos. Ou seja, erros na convergência de parceiros atravancaram o clima da empresa em relação a seu mercado.

Com isso, fracasso.

Ainda assim, a HP, grande multinacional americana, resolveu comprar a marca de celular Palm em 2010. A compradora percebeu que o WebOS tinha grande futuro. Contudo, o efeito “interesse surpreendente” não vingou e, no ano seguinte, a Palm deixou de existir.

Seis anos depois, uma empresa chinesa, a TCL, acabou descobrindo o potencial da Palm. Assim, a marca foi novamente licenciada.

Modelos da marca de celular Palm

mini aparelho da marca de celular Palm
A marca de celular Palm lancóu alguns mdoelos interessantes.

A empresa Palm chegou a figurar no ranking das grandes marcas de celular nos inícios dos anos 2000. Em verdade, foi mesmo uma das fortes pioneiras também no setor de smartphones. Contudo, isso foi na era pré-iPhone.

E, para dar continuidade ao destino de “empresa de terceiros”, pertence a uma startup dos Estados Unidos atualmente. Por outro lado, a sina de empresa determinada permanece. Dessa maneira, lançou seu primeiro dispositivo na nova era.

Um celular sem nome, mas para chamar de seu

Em meados do ano passado (2018), a marca de celular Palm levou ao mercado um minicelular. Foi assim que anunciou seu retorno ao mercado de celular É realmente pequeno. Isto é, não é em nada de parecido – nem mesmo semelhante – com os primeiros modelos da marca nos inícios dos anos 2000.

Aliás, até mesmo a “reputação do termo smartphone” se apresenta como novo com esse modelo. Trata-se do conceito “celular acompanhante”, isto é, foi concebido para ser seu segundo celular.

Interessante: A ideia é mais ou menos simples: “com seu celular ‘poderoso’, ou seja, com dezenas de funcionalidades, é grande a chance de você se distrair durante chamadas importantes ou mesmo durante apreciação de vídeos legais. Então, com o novo modelo da marca de celular Palm, você pode falar naquela ligação profissional ou assistir ao vídeo interessante”.

Nesse sentido, diz-se que o minicelular foi feito para fazer o principal, para funcionar no básico. Apesar disso, é capaz de fazer muita coisa. Surpreendentemente, aliás, pois suas dimensões são intrigantes: 50,6 mm de largura, 96,6 de comprimento e 7,4 mm de espessura. Quanto ao peso, tem pouco mais de 62 gramas.

Uma característica diferencial desse novo modelo da marca de celular Palm é que ele compartilha o número do celular principal. Para isso, basta que você disponha de chip da mesma operadora. Contudo, como a gente destacou acima, ele também pode funcionar independentemente.

Especificações do minicelular

O sistema operacional é o Android 8.1 Oreo, ou seja, a empresa abandonou a ideia de usar um sistema próprio. A tela de LCD tem pouco mais de 3 polegadas; com isso, os engenheiros da empresa pretendem que o aparelho não seja usado com constância, o que seria maléfico para os olhos ou mesmo para as articulações da mão, segundo estudos da empresa.

Não obstante possuir muitas funcionalidades, o novo modelo da Palm não dispõe de espaço conector de fones. E também não tem leitor de impressões digitais. Porém, dispõe de uma porta USB.

Sua estrutura tem proteção contra água e poeira declarada pelo certificado IP68. Além disso, o dispositivo trabalha com um processador básico da Qualcomm, o Snapdragon 435. A capacidade de armazenamento é também bastante promissora,, pois ele tem 32 GB de espaço interno.

A RAM é também interessante com seus 3 GB. As duas câmeras são compatíveis com os melhores celulares da atualidade. A frontal para selfie tem 8 MP que, aliás, opera com sistema proprietário de reconhecimento facial para desbloqueio; a câmera traseira tem 12 MP.

Pode trabalhar com qualquer aplicativo compatível com o sistema, especialmente Google Play. Assim, entende-se que não se trata de dispositivo básico apesar de seu tamanho. Ou seja, não se propõe a apenas fazer ligações ou controlar agendas.

A bateria, por sua vez, é de 800 mAh, que a fabricante diz ser suficiente para uma tela tão pequena, pois esta consome pouca energia.

Modo Vida

Um fator bem legal é que a estrutura dispõe de apenas um botão. Com ele, o usuário liga e desliga o aparelho, mas também acessa o assistente do Google ao mantê-lo pressionado por mais tempo.

A ideia conceitual de “telefone acompanhante” é reforçada com o chamado “modo vida”. Com ele, os engenheiros da empresa buscaram possibilitar que o usuário disponha de momentos para si mesmo.

Nesse cenário, o sistema desse modelo da marca de celular Palm é capaz de bloquear mensagens, ligações e notificações de funcionalidades. E também é capaz de economizar energia. Para isso, o usuário precisa ativar o processo.

Palm Pre GSM e CDMA

Esse dispositivo da marca de celular Palm foi apresentado há 10 anos (2009) e em duas versões. As diferenças entre elas são mínimas, como, aliás, acontece com qualquer marca. Assim, a empresa levou ao mercado a versão Palm Pre GSM e a Palm Pre CDMA.

Os fabricantes usam essa estratégia quando percebem que uma estrutura comporta mais funcionalidades do que aquelas previstas no protótipo. Ambas as versões trabalham com o processador de 600Mhz, que oferece somente as funcionalidades mais principais.

Tem também uma entrada para cartão SIM. Sua capacidade dispõe apenas de download máximo até 3,6 Mbps para navegação na internet. Quanto à conectividade, esse aparelho se mostra funcional, pois tem bluetooth na versão 2.1 com A2DP e wi-fi 802.11 b/g de 2.4Ghz.

Palm Treo Pro 850w

Esse é outro modelo antigo da marca de celular Palm, pois foi apresentado em 2008. Seu processador de 400Mhz não dispõe de grandes operacionalidades, ou seja, apenas as básicas. Tem entrada para cartão SIM e capacidade de download máximo até 3,6 Mbps para navegação na internet.

Apesar disso, já apresentava boa conectividade na época do lançamento. Tem bluetooth na versão 2.0 com A2DP e wi-fi 802.11 b/g de 2.4Ghz. Seu peso é bastante atraente com 133 gramas, já com a bateria inclusa. O celular Palm Treo Pro 850w é relativamente fino, com 13,5 mm de espessura.

Então é isso. Há marcas de smartphone que não são tão expressivas no mercado. Entretanto, suas histórias expõem empresas determinadas a se manter no mercado por meio de estratégias interessantes. É o caso da marca de celular Palm.

Você já teve um dos modelos dessa marca? Você se interessaria por possuir um segundo celular auxiliar para seu smartphone mais potente? Que tal deixar sua opinião na área de comentários abaixo?

RESPONDER