celular seguro

Seguro celular: Saiba como proteger o seu aparelho

O mundo ilusório do cinema já encontrou excelente modelo de seguro celular. Trata-se de dispositivo de controle remoto que faz o aparelho explodir. Assim, caso seu aparelho seja roubado na rua, basta deixar que o meliante se distancie. Você aciona o controle e “boom”!

Em outra cena desse mesmo mundo ilusório, o celular começa a esquentar na mão do meliante. Este o deixa cair no chão; então, de dentro da estrutura do aparelho, saem duas poderosas armas e atiram contra o ladrão.

Depois, as armas se convertem em quatro rodinhas e o celular retorna para as mãos do verdadeiro dono.

Certo… nenhuma das duas cenas acima nos parece uma boa ideia para seguro celular. (“Não?!?!?” – muitos perguntariam abismados.) Afinal, há grandes riscos para pessoas à volta. E a intenção do seguro celular é justamente evitar maiores problemas.

Acontece que roubo e furto de celular se tornaram muito comuns nos tempos atuais. Isso acontece por conta das grandes utilidades que tais aparelhos oferecem aliadas à quantidade de unidades existentes e às facilidades de ação do meliante.

Somente em 2017, segundo pesquisa de sites voltados ao tema roubos, furtos e assaltos à mão armada em geral, houve três celulares roubados/furtados por hora. Já segundo dados oficiais de órgãos da Secretaria de Segurança, esse número é maior: 08 unidades por hora.

Assim, abaixo, você tem diversas informações para escolher um bom seguro celular para seu aparelho. Afinal, ainda que haja aparelhos baratos, venhamos e convenhamos, não se trata de aparelho qualquer. É, em verdade, um banco de dados sobre sua vida.

Então, nada melhor que procurar defender, proteger e resguardar esse banco de dados.

O que é seguro celular?

Quanto mais a tecnologia da informação evolui, mais o valor dos celulares aumenta. De certa forma, isso é claro, evidente e compreensível. Afinal, para evoluir, os dispositivos dependem de pesquisas, de investimentos, de invenções etc. Os recursos aplicados nisso tudo compõem o custo final do smartphone.

E isso custa dinheiro, em especial em países em desenvolvimento. Nesse caso, cada novo modelo com alguma funcionalidade interessante é lançado com valores maiores. E isso atrai interesse de proprietários em contrair um seguro celular para seu aparelhos.

Mesmo porque, trabalhar o mês inteiro para pagar mensalidades de aparelhos que custam, no total, 3, 4, 5 mil reais não é fácil. E menos fácil ainda é ter seu aparelho danificado por uma queda, desaparecido por furto, destruído num acidente.

O seguro celular é exatamente isso: sistema de compensação financeira em casos em que o proprietário se vê privado de sua propriedade. Em princípio, parece ser seguro comum e, de certa forma, é. Contudo, o seguro celular requer algumas considerações diferentes.

Você vai perceber quais são essas considerações ao longo deste artigo.

Como funciona o sistema de seguro celular?

A primeira consideração que o proprietário deve ter em mente também parece bem óbvia: a empresa que trabalha com seguro celular não é entidade assistencial. Portanto, é empresa que visa lucro, requer vantagens, busca ganhos compensatórios de seus investimentos.

Apesar de parecer evidente, como a gente destacou, essa característica fica meio oculta nas peças publicitárias das empresas. Ou seja, na propaganda, tudo parece realmente muito interessante e fácil. Contudo, a seguradora trabalha com riscos.

Então, ela precisa que diversos segurados paguem suas mensalidades e não sofram nenhum sinistro durante a vigência do contrato. Somente assim, ela terá condições financeiras para saldar a apólice daqueles que sofrerem o tal sinistro.

Isso significa que os pagadores de seguro celular é que financiam o pagamento de aparelhos sinistrados. Então, quanto mais roubos, furtos, acidentes etc. houver, menos dinheiro a seguradora vai ter.

Ainda: havendo riscos de muitos furtos e roubos, mais caro fica o seguro celular. É por isso, aliás, que os valores variam de acordo com certas circunstâncias: local de residência do segurado, seus hábitos etc.

Além, claro, do valor do aparelho. Quanto mais alto o valor deste, maior é o valor do seguro celular.

Particularidades do seguro celular

Apesar de ser operação semelhante a muitas outros do universo dos seguros, o seguro celular detém algumas características próprias.

Período de cobertura

Justamente por conta dos avanços cada vez mais rápidos da tecnologia, o tempo de cobertura do seguro celular é bem menor que, por exemplo, de um carro ou casa. Nesse caso, o valor das mensalidades também varia por conta disso.

Vida útil do aparelho

Outro fator ainda influenciado pelo avanço da tecnologia é a obsolescência dos aparelhos. Um modelo lançado em janeiro pode ser considerado ultrapassado em junho. Nesse caso, é quase certo que você vá preferir outro tipo de compensação que não seja seguro celular.

O problema é que, assim, o valor do aparelho em janeiro seria, digamos, 3 mil reais. Nesse caso, você contrataria um seguro celular proporcional. Ocorre que, com a obsolescência, o valor do mesmo modelo em junho seria de 2 mil reais. Ou seja, você perdeu dinheiro.

Cuidados especiais ao contratar um seguro celular

A contratação de um seguro celular requer alguma atenção especial. Além de cuidados normais, ainda é preciso estar atento a determinadas cláusulas contidas na apólice. Afinal, os segurados nem sempre têm ciência de que não estão completamente protegidos.

Análise da empresa seguradora

Tenha ciência de que a empresa seguradora vai vasculhar sua vida inteira dentro dos limites do possível. Atualmente, vasculham até mesmo suas redes sociais a fim de encontrar posturas inseguras.

Por incrível que pareça, seu comportamento pode interferir tanto no valor das mensalidades quanto em eventual momento de você receber pelo seguro.

Portanto, você tem direito – e dever – de analisar a empresa também. Busque informações nos órgãos competentes – como sindicatos patronais – e em sites avaliadores. Contudo, não se contente com as informações nesses sites. Contate os depoentes tanto em caso de manifestação negativa quanto positiva.

Leitura analítica do contrato

Bem, é claro que você sabe que todo e qualquer contrato deve ser lido, relido, lido novamente e, se possível, levado a um bom advogado para que leia também. Entretanto, por conta do valor do objeto, nem sempre os proprietários se dão a tal trabalho.

Mas é de extrema importância que o façam. E isso tem a ver com significado de determinados termos e a maneira como eles são sequenciados nas frases. Exemplo disso é a diferença entre “furto” e “roubo”, por exemplo.

No primeiro caso, a vítima não está presente no ato ou não tem como perceber o ato; no segundo, ela sofre algum tipo de violência.

Até mesmo o termo “violência” é tratado de maneira diferente por algumas seguradoras. Em seus contratos, podem deixar meio oculto que o pagamento está sujeito a, por exemplo, violência física sob ameaça de armas diversas.

Nesse caso, se a vítima for roubada, mas não apresentar provas de que sofreu efeitos negativamente marcantes, talvez tenha algum problema para receber o valor do seguro.

Tempo de carência

A maioria das seguradoras impõe certo período de seguro celular inativo. Isso significa que não vai proceder ao pagamento em determinado tempo. Dependendo da empresa, pode ser de um ou mais meses entre o primeiro dia de vigência do contrato e o último dia desse tempo.

Dá-se a esse período o nome de “Tempo de Carência” e alega-se que é para evitar golpes e fraudes. Diga-se, por exemplo, que você assine contrato no dia 01 de janeiro e o período de carência seja de 60 dias. Assim, você não terá direito a ressarcimento de valores antes do início de março.

Valor da franquia

Avalie muito bem o valor da franquia que consta no contrato. Esse é o percentual a ser deduzido do prêmio no momento do pagamento por parte da seguradora.

Via de regra, varia bastante entre as diversas marcas de aparelhos. Isso se dá porque algumas marcas são mais visadas por criminosos que outras. Portanto, é possível que não valha a pena em seu caso.

Nota fiscal de compra

Mantenha a nota fiscal de compra do aparelho bem guardada. A operadora de seguro celular vai solicitar apresentação desse documento durante o processo de análise de sinistro.

Tipos de seguro celular

Há várias modalidades de seguro celular. Ele pode até mesmo estar incluso no seguro residencial ou do automóvel. Certamente há um custo para isso, mas é possível.

Importante: tão logo perceba que foi furtado ou tenha sofrido ação de roubo, procure a delegacia mais próxima e abra boletim de ocorrência. Ou, ainda, acesse o site da Polícia Militar e use o sistema de boletim de ocorrência virtual.

Veja algumas modalidades de seguro celular.

Quebra acidental

Outra cláusula do contrato de seguro celular que merece toda atenção é a que trata de quebra acidental. Via de regra, o segurado não compreende bem esse conceito.

É preciso que a causa da quebra seja muito bem definida, que seja imprevisível e, portanto, inevitável. Quebra por queda de móveis ou em momento de captura de selfies, por exemplo, normalmente não é coberta.

Importante: lembra-se de que falamos acima sobre análise de redes sociais? Pois então. Muitas seguradoras avaliam a postura dos segurados quanto ao nível de cuidado para com seus smartphones.

Roubo e furto qualificado

A gente mencionou acima a diferença entre roubo e furto. Convém agora que você saiba o que é realmente furto simples e furto qualificado, que é o tipo de sinistro coberto pelo seguro celular.

O furto simples, por sua vez, não é coberto. Trata-se de situação em que, por exemplo, nenhum obstáculo foi destruído, de forma que haja comprovação da ação. Isto é, de repente, você percebe que o aparelho já não está mais consigo, mas não consegue definir o motivo.

Já o furto qualificado apresenta rompimento ou transposição de alguma barreira por parte do meliante para ter acesso ao aparelho. É o caso, assim, de bolsas rasgadas, vidros de automóveis quebrados, pastas rompidas etc.

Importante: as seguradoras não promovem seguro celular no caso de furto simples. Convém avaliar bem a cláusula do contrato que trata desse tema.

Roubo e quebra acidental

Como o próprio título demonstra, trata-se de combinação entre as duas modalidades anteriores. Certamente, o valor também é conjugado.

Situações não cobertas

Outro fator importante são situações não cobertas pelo seguro celular que, via de regra, não estão explícitas nas apólices; quando explícitas, não estão exemplificadas. Veja.

  • Furto simples: você deixa o aparelho em uma mesa num bar, por exemplo, ou no táxi ou ainda no balcão de alguma loja
  • Quedas e danos não acidentais: brincando, você joga seu aparelho para um amigo ou o arremessa sobre um móvel
  • Confisco de aparelho: qualquer situação em que o dispositivo seja retido por autoridades
  • Falhas ou defeitos: a seguradora considera que tal responsabilidade seja incumbência do fabricante
  • Danos naturais: problemas originados por tempo de vida útil do aparelho

Alternativas para o seguro celular

Este artigo trata de seguro celular. Entretanto, é sempre interessante tomar alguns cuidados com o aparelho em tempos de tanta “procura por parte de assaltantes”. E é interessante tenha você um seguro ou não.

Ou seja: tenha em mente que o seguro celular serve para ressarcimento financeiro em casos inevitáveis, desses dos quais não se pode fugir de jeito nenhum. Por outro lado, pode-se estar atento a certas posturas de forma que você não precise enfrentar toda a burocracia para receber seu seguro.

Caminhar e falar

São duas ações incompatíveis. Falar ao celular enquanto caminha é o mesmo que rotular seu smartphone com a frase “aparelho disponível para roubo”. No ambiente externo, tanto você quanto o celular estão expostos a todo tipo de gente.

Especialmente “gente interessada em seu celular”. Caminhar e falar é a melhor maneira de ter problemas com seu seguro celular.

Porta-celular no automóvel

Muitas marcas de automóvel já incluem recipiente para celulares, inclusive de sistema de carregamento de bateria. Estranhamente, esses recipientes são sempre acessíveis a mãos de terceiros ou visíveis facilmente.

Assim, estando o carro parado a meio fio ou em semáforos, é fácil que um bandido se aproxime e apanhe o aparelho. Mesmo que os vidros estejam levantados.

Celular na balada

Você não vai marcar uma gostosa balada com amigos e manter o celular em casa. Aliás, seu aparelho é instrumento de divertimento nas baladas. Normalmente, os proprietários mantêm os aparelhos no bolso de trás das calças ou no soutien.

Estando em ambiente fechado na balada, imaginam inconscientemente que estejam protegidos. Ledo engano. Há sempre alguém monitorando movimentos de eventuais vítimas, espreitando, aguardando. Portanto, crie situação de proteção a seu aparelho. E a você também.

Então, é isso. O seguro celular é instrumento econômico apropriado para evitar maiores dores de cabeça. Maiores, já que as menores são inevitáveis. Contudo, ainda que você pague um seguro por muito tempo, é sempre melhor que não precise enfrentar os percalços. Então, mantenha-se atento.

O que você acha de deixar sua opinião sobre seguro celular? Use a área de comentários abaixo.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.