Numa civilização em que “tudo é comunicação” (até mesmo um almoço em restaurante precisa ser compartilhado com amigos), em que os instrumentos para se comunicar se multiplicam dia a dia (existem até micro relógios que trocam mensagens e arquivos), as pessoas usufruem de tecnologia avançada sem sequer saber que usam. É o caso das redes wifi.

Desde que foram criadas, as redes wi-fi passaram por uma infinidade avanços. Afinal, trata-se de instrumento de tecnologia. Uma das características da tecnologia é justamente avanços constantes. Por outro lado, é sempre interessante saber como as “coisas” funcionam, ainda que seja somente por curiosidade.

Portanto, este artigo revela uma série de informações interessantes para que você compreenda como funcionam as redes wi-fi. Dessa maneira, havendo problemas básicos em sua telefonia, você poderá discutir soluções com profissionais quase de igual para igual.

Aliás, você sabe por que os telefones móveis são chamadas “celular” no Brasil? Saiba mais nos capítulos seguintes.

Termos associados às redes wifi

Existem vários termos associados à internet e às redes wifi

Existem vários termos associados à internet e às redes wifi

Todo artigo que trata de temas técnicos é meio massante. Assim, veja abaixo relação dos termos usados e seus significados. Dessa maneira, você vai assimilar mais facilmente alguns conceitos mais complexos deste artigo.

  • Bit ou Binary Digit – é a menor unidade de arquivos virtuais que pode ser manipulada por equipamentos. Milhares de bit constituem os arquivos virtuais como nós os conhecemos hoje (textos, imagens, sons, vídeos etc)
  • Byte – conjunto de 8 bits
  • Megabytes – conjunto de mais de 1 milhão de bytes
  • IEEE – é abreviação de “Institute of Electrical and Electronics Engineers”. Trata-se organização sem fins lucrativos cujos objetivos são promover evolução tecnológica para o mundo inteiro
  • 802.11 – é identificação do padrão de ondas eletromagnéticas de transmissão de dados sem fio
  • Hotspot – aparelhos que acessam as ondas eletromagnéticas do padrão IEEE 802.11 e transformam em sinais reconhecíveis
  • PSI – Sigla de Provedores de Serviços de Internet (Internet Service Provider – ISPs). São empresas que oferecem serviços adequados de wifi
  • Interface de wifi – mecanismos internos dos dispositivos para se conectar às redes wi-fi
  • Estação – nome dado a um dispositivo capaz de se conectar às redes wifi
  • Agência Nacional de Telecomunicações – Anatel – órgão brasileiro responsável também por operações em redes wifi
  • Roaming – possibilidade de se enviar e receber dados por meio de redes de wi-fi distantes do alcance da operadora original
  • Célula – antigo nome dado às torres de transmissão e retransmissão dos sinais eletromagnéticos
  • Protocolo – conjunto de códigos computacionais que permitem conexão entre dispositivos
  • Roteador – aparelho que captura os sinais do hotspots e distribui mais localmente, ou seja, para os cômodos da residência ou empresa

O que são Redes WiFi

Até cerca de duas décadas atrás, a ideia de “rede computadores” envolvia milhares de quilômetros de cabos de transmissão de dados. Esses cabos ligavam um computador a uma central que, por sua vez, distribuía os dados para outros computadores na região ou no mundo.

Com toda certeza, esse processo acabava sendo vítima de diversos problemas técnicos e estruturais. Assim, posto que Tecnologia seja braço da ciência mais vinculado à ideia de evolução constante, era de se esperar que tais dificuldades fossem apenas passageiras.

O conceito “wifi” é resultado de estudos profundos das ondas eletromagnéticas que envolvem todo o planeta. Ou seja, pense nelas como uma malha invisível de energia. Uma equipe de pesquisadores descobriu que é possível usar essa malha para envio de dados com estrutura de “bits”.

Assim, antes da criação das redes wi-fi, os bits agrupados em arquivos eram limitados a uso em unidades de computador. Ou seja, precisando-se transferir um arquivo de um computador para outro, era necessário um meio físico qualquer, como as antigas fitas magnéticas ou os antigo disquetes ou ainda pen-drives.

As redes wi-fi chegaram para acabar com tudo isso. Além do mais, “wire” é traduzido como “fio”; o sufixo “less” tem sentido de “menos”, “sem”, “desprovido”. Nesse caso, “wireless” significa “sem fio”. Já o “fi” é de “fidelity”.

Assim, qualquer equipamento que interfira nas operações de outros sem conexão por fio é chamado “equipamento wireless”. É o caso, portanto, de rádios transmissores, controles remotos e outros.

Origem das redes wifi

WiFi é uma marca registrada da Wi-Fi Alliance. Essa empresa de tecnologia está localizada na região de Austin, Texas – EUA e é a idealizadora do conceito de “conexão sem fio”.

Aquela equipe de pesquisadores acima mencionada pertencia à W-Fi Alliance e, em 1999, entrou no mercado em definitivo. Começou a divulgar e comercializar os resultados de suas pesquisas que haviam chegado ao ápice já em 1997. Assim, o mundo inteiro passou a usar seu produto principal, ou seja, as redes wi-fi.

Com funcionam, as redes wifi

Ao longo das pesquisas, os profissionais foram descobrindo faixas de ondas eletromagnéticas. Precisavam, assim, identificá-las. Dessa forma, chegaram ao padrão “IEEE 802.11” de ondas, ideal para uso geral porque não necessita de autorização especial de órgãos reguladores.

Para que as ondas eletromagnéticas se tornem operacionais, ou seja, utilizáveis, é necessário que haja aparelhos que capturem seus sinais e os espalhem pela região. Assim, esses captores são instalados no alto das torres em locais estratégicos, chamados hotspots (veja na relação acima). Os sinais captados no padrão IEEE 802.11 são distribuídos num raio de mais ou menos 100m a partir dessas torres.

Nesse contexto, os dispositivos que se conectam a esse padrão devem operar na mesma faixa. Isto é, celulares, notebooks, tablets, computadores etc. devem estar configurados para captar os sinais daquelas torres (configurados com interface de wifi – veja na relação acima).

Para tanto, é preciso que o dispositivo esteja próximo a um roteador. Este cria o ambiente de conexão entre os dispositivos e os hotspots.

Assim, todo e qualquer dispositivo aparelhado para operar em redes wifi vai se vincular automaticamente a elas. Porém, é preciso que esteja dentro do raio de ação dos hotspots. Um celular, por exemplo, que adentre a área de um hotspot, pode usar as redes wifi a ele conectadas.

Como isso é possível nas redes wifi

Lembre-se de que qualquer tipo de arquivo virtual é construído por “bits”. Os programas dos computadores (ou celulares) para construção de arquivos trabalhavam inicialmente com conjuntos de 8 bits, que se chama bytes.

Certamente, quanto mais bytes houver nos arquivos, mais “pesados” eles são tanto no momento de serem acessados quanto no momento de serem transmitidos. É por isso que alguns aplicativos demoram alguns milésimos de segundo a mais que outros para serem operados ou transmitidos.

Os dispositivos de redes wi-fi transmitem/transferem arquivos por meio de decodificação dos bytes. Nesse sentido, quando você envia um arquivo qualquer para o celular de um amigo, a tecnologia envolvida no processo “desconstrói” esse arquivo na origem, transmitem os bytes para o destino, onde estes serão “recompostos”, ou seja, onde o arquivo será “reconstruído”.

Assim, as redes wi-fi mais evoluídas trabalham com conjuntos maiores de bytes. Por isso, você ouve falar em velocidade de internet associada à capacidade de transmissão de megabytes.

Redes wifi abertas e redes wifi fechadas

Existem redes de wifi abertas que todos podem usar e fechadas em que é preciso uma senha de acesso.

Existem redes de wifi abertas que todos podem usar e fechadas em que é preciso uma senha de acesso.

As empresas de telefonia têm investido cada vez mais em redes wi-fi, ou seja, em oferta de serviços de conexão com internet. O foco dos investimentos é quase sempre voltado a aumento de velocidade de transmissão de dados. Por sua vez, a velocidade das redes wi-fi depende de estudos para produção de dispositivos cada vez mais inteligentes que operem em faixa eletromagnética cada vez mais forte.

Nesse contexto, é por isso que você ouviu falar muito em “Internet 2G”, “Internet 3G” e, mais recentemente, em “Internet 4G e 4,5G”. Nos últimas semanas, os chineses testaram a “Internet 5G” com sucesso. Assim, esse “G” faz associação com “geração”. Então, internet 5G é a mais atual e significa “Internet de quinta geração”.

Ocorre que as empresas investem muito no desenvolvimento das tecnologias. E, claro, sendo empresas, encaram “investimento” como fator de retorno de lucro futuro. Não seria nada lógico se não pensassem assim. Porém, se qualquer dispositivo puder acessar gratuitamente quaisquer redes wi-fi, todo e qualquer investimento perde o sentido.

Nesse caso, há redes wi-fi gratuitas e redes pagas (veja mais no capítulo “Estratégias de segurança das redes wi-fi” abaixo). A internet que você usa em casa ou no trabalho, por exemplo, chega por meio de redes wi-fi pagas. Entretanto, algumas empresas oferecem acesso gratuito à rede a fim de fidelizar e atrair clientes. Restaurantes, hospitais particulares, hotéis e motéis etc.

Hotspots pessoais

O avanço da tecnologia da informação é impressionante. Oferece cada vez mais facilidades, operacionalidades e funcionalidades para todo. Assim, no caso de você estar em local que não disponha de redes wi-fi (pousadas, latifúndios etc.), pode lançar mão de uma espécie de “miniwiriless portátil”.

Trata-se de dispositivo que permite ponto de acesso em qualquer lugar. Além disso, seu aparelho celular pode também funcionar como roteador, ou seja, distribuir o sinal para aparelhos de familiares e amigos.

Interessante: há diversas marcas de celulares que acoplam o hotspot pessoal já no processo de montagem do aparelho. Ou seja, logo logo, ele vai se tornar um acessório obrigatório de fábrica.

Possibilidades das redes wifi

As redes wifi são capazes de nos trazer muito benefícios.

As redes wifi são capazes de nos trazer muito benefícios.

Muito bem. Conhecendo o funcionamento básico das redes wifi – claro, há complexos detalhes técnicos que não cabem neste artigo -, veja o que essa tecnologia é capaz de fazer em prol da humanidade em geral. Ela entrou na vida da civilização atual para jamais sair dela, tantos são os benefícios que produz.

Até pouco tempo, as duas únicas maneiras de produzir comunicação pessoal era a forma milenar – ou seja, cara a cara – ou a secular – ou seja, telefone fixo. Para se admirar uma imagem familiar, era preciso reunir-se na sala e folhear álbuns de fotografia. Para que admiradores de música compartilhassem canções prediletas, encontravam-se em algum local.

As redes wi-fi mudaram tudo isso. E esse “tudo isso” chega até a área da saúde, como você vai ver logo abaixo. Assim, não é difícil se prever que elas vão mudar ainda muito mais situações na rotina da humanidade.

Sua saúde e as redes wifi

As possibilidades de aplicação das redes wi-fi são muitas e, segundo estudiosos do setor, talvez nem tenhamos chegado a 20% delas. As redes transformam residências em polos de sustentabilidade com economia de energia; evitam incidentes de automóveis com geolocalização; facilitam o dia a dia com a chama “Internet da Coisas” etc.

Entretanto, talvez seja na saúde que as redes wi-fi demonstrem sua função mais importante. Hoje, em hospitais renomados, elas trabalham desde em simples registro de presença de pacientes e colaboradores em geral até em consultas e cirurgias a distância.

Telefonia fixa X telefonia móvel

Com o avanço do conhecimento sobre redes wi-fi, áudios, imagens estáticas ou em movimento, textos etc. passaram a ser compartilhados a distância. E não importa qual é a distância. Assim, uma foto batida por celular às 14h33m20s no centro da capital do Brasil pode ser admirada (ou criticada) às 14h33m25s no centro da capital do Japão.

Contudo, como você sabe, tal não ocorre apenas com imagens. Qualquer tipo de arquivo virtual. E som. E, claro, voz. Portanto, muitos analistas da área tecnológica já preveem o fim da telefonia fixa. Em verdade, a Anatel já detectou esse movimento.

Nos últimos anos, a quantidade de cancelamentos de número da telefonia fixa tem crescido muito. Já chegou à casa dos milhões. Certamente, esse movimento é contrário ao dos telefones móveis. Ou seja, desde a popularização desses aparelhinhos atualmente insubstituíveis, a indústria fabril apenas cresce. Em 2016, havia mais aparelhos celulares no Brasil que habitantes.

Portanto, é plenamente previsível que telefones fixos sejam relegados a museus e sótãos de residências. Ou seja, é o mesmo que já acontece com máquinas de escrever, vitrolas, “orelhões” etc.

Telefonia por redes wifi

Dessa maneira, é cada vez mais lógico que os aparelhos celulares usem redes wi-fi com mais constância atualmente. E esse “fenômeno” há de, certamente, se intensificar no futuro. É o que já chamado de “telefone por redes wifi” ou “telefone wireless”. Ou seja, aparelhos que usam mais as redes wi-fi que as redes de celulares propriamente ditas.

Porém, como ainda é tecnologia em nascimento, apresenta algumas dificuldades. Não é possível fazer roaming entre hotspots com o seu telefone e ainda receber chamadas por wi-fi, mesmo que seja possível fazer e receber chamadas pela rede celular. Vários telefones interrompem a conexão wifi para economizar energia. Portanto, não são capazes de receber chamadas ao fazê-lo.

Entretanto, dado os enormes pulos vanguardistas que a tecnologia da informação tem dado nos últimos anos, esses problemas serão resolvidos em pouquíssimo tempo.

Custos menores na telefonia por redes wifi

Há muitos anos, aplicativos de mensagens instantâneas já oferecem comunicação pessoal por celular. Enviam-se mensagens por textos, por áudios e também por voz direta. Aliás, esse fator tem sido motivo de contenda entre operadoras de telefonia móvel e gestores desses aplicativos.

Porém, parece que o bom senso tem prevalecido. Afinal, seria incoerência total que meios de contatos por voz tão à disposição fossem relegados a impedimento de uso. O fato ,entretanto, é que uso de telefones por redes wi-fi torna os custos muito baixos, quase insignificantes, para os usuários.

Estratégias de segurança das redes wifi

Por outro lado e consequentemente, esse caráter de disponibilização de conexão fácil, instantânea e automática gera ambiente de insegurança virtual. Golpistas virtuais parecem caminhar junto com a evolução da tecnologia. Tão logo se lancem protocolos mais seguros para tráfego de dados, lá estão eles em busca de falhas para furtar dados pessoais dos usuários.

Desse modo, foi necessário criar protocolos de segurança cada vez mais inteligentes para se evitar ao máximo problemas furto de dados dos usuários. Por outro lado, tais protocolos permitem que empresas investidoras em tecnologia da informação cobrem por prestação de seus serviços de internet.

Dessa maneira, o acesso às redes wi-fi protegidas é feito por meio de senha digitadas por usuários. Veja abaixo alguns dos protocolos de segurança.

Wired Equivalent Privacy – WEP

Foi o primeiro protocolo de segurança instalado no sistema de redes wifi. Passou por atualizações importantes e é usado até hoje, mas apresenta algumas falhas. Isso se dá porque as chaves internas de acesso são constantes, o que permite que usuários mal-intencionados tenham maior índice de êxitos em suas investidas.

Wired Protected Access – WPA

Foi criado pela Alliance a fim de ajustar as falhas do sistema WEP. As chaves são alteradas com certa constância, mas obedecem a processo de reconhecimento para evitar que usuários precisem inserir senhas em cada acesso.

A funcionalidade da WPA mostrou-se bastante eficaz. Assim, a empresa criadora seguiu o padrão para criar a WPA2, que é uma espécie de variação melhorada do protocolo.

Porém, como nada é perfeito, esse protocolo não funciona em dispositivos mais antigos e necessita de mais ferramentas no processamento. Portanto, uso em residências e em pequenas empresas não é aconselhável.

Piggybacking

Trata-se de forma de burlar acesso a redes wi-fi, ou seja, acesso sem autorização. O sistema é, via de regra, aplicado por usuários que entram na área de ação de algum hotspot não gratuito e, ainda assim, acessa a rede sem necessidade de informar senhas.

O uso desse sistema é controverso. Há locais em que ele é plenamente aceito como instrumento de acessibilidade para todas as camadas sociais. Porém, há outros locais em que é proibido por se entender que atropela o direito de propriedade.

Curiosidade: por que se chama “aparelho celular”?

Os engenheiros que idealizaram os hotspots transferiram as impressões que tinham deles para desenhos explicativos. Esboçaram um dispositivo emissor de sinais e contornaram com traçados irregulares a fim de identificar o alcance de cada hotsport.

Os desenhos, em si, se assemelharam a células dos seres vivos. Daí, chamaram os aparelhos de “telefone celular”.

Então, é isso. Caso você ainda tenha alguma dúvida sobre redes wifi, não perca a oportunidade de deixar na área de comentários abaixo.


Deixe uma resposta