Trocando a sua privacidade por ofertas de compras

Um novo serviço de compras está pedindo às pessoas para desistir de sua privacidade em troca de cupons de lojas, porém especialistas em segurança se preocupam com o que irá acontecer com a informação que estará sendo juntada.

A firma de Marketing Redpepper diz que está quase terminando os testes no Facedeals, um app de marketing de reconhecimento da face. Os estabelecimentos inscritos no Facedeals terão que instalar um sistema de câmera para escanear os rostos das pessoas e comparar com as fotos marcadas no Facebook.

Os consumidores que possuem os apps em seus aparelhos então receberão códigos de cupons customizados para economizar dinheiro enquanto estiverem nestes estabelecimentos, que também oferecerão ofertas e promoções baseadas nas ações de “curtir” feitas no Facebook.

O programa também permite que você faça o seu “check in” no Facebook, assim, todos os seus amigos e seguidores podem ver quando você entrar em estabelecimentos parceiros do Facedeals. A Redpepper diz que seu programa não é afiliado ao Facebook, mas trabalha junto à rede social como outra ferramenta de comunicação.

Alguns especialistas em marketing saudaram o Facedeals com um passo excitante em marketing customizado, porém outros taxam este novo programa de uso de reconhecimento facial ultrapassa os limites entre ajudar os negócios a oferecer às pessoas melhores ofertas e invadir a privacidade.

Anna Brading, escritora do blog de segurança Sopho, afirma que o programa cria enormes questões de privacidade e preocupa-se com o fato do que cada passo dos usuários sejas, eventualmente, seguidos. Em sua opinião, questões como a segurança na forma como os dados seriam armazenados, a possibilidade de venda e de possível roubo destes dados armazenados, devem ser avaliadas com precaução.

Além do fato de que o app construiria um cenário bastante abrangente das atividades de cada pessoa. Atividades pessoais seriam expostas muito facilmente.

A Redpepper explica cuidadosamente que o Facedeals funciona somente quando a pessoa possui o app instalado em seus aparelhos de telefone, porém o app idetifica a sua aparência baseando-se nas fotos em que você é marcada no Facebook. Assim, usa a informação par ate identificar quando você entra em um local com sistema de câmera. Portanto, além de comprometer a sua privacidade facial, o app, como tantos outros, ganha acesso à sua conta no Facebook.

A Redpepper insiste em dizer que ianda estão finalizando testes e procurando fundos para o Facedeals, portanto ainda levará um tempo antes que as câmeras aapreçam nos seus locais preferidos de consumo.
O Facebook também poderá desafiar a companhia pelo uso do nome “face” em sua marca, por ser muito associado ao nome da rede social.

Mesmo que a Redpepper, eventualmente mude o nome do programa, ainda utilizará as propriedades e sistema do Facebook, o que significa que fará dinheiro com o Facebook e seus dados, o que Zuckerberg e sua companhia pode não querer compartilhar. Sem falar que o Facebook mesmo não se juntando à Redpepper para divulgar o serviço, já está lidando com reclamações de violações de privacidade de usuários.

Além disso, o Facebook já parece estar inclinado na direção de um programa de reconhecimento facial próprio, portanto, pode não querer permitir que uma companhia de fora venha roubar a sua oportunidade. No começo deste ano, o Facebook adquiriu a website de programa de reconhecimento facial Face.com, sugerindo que a companhia esteja planejando estabelecer “impressões faciais” próprias de seus usuários.

Contudo, se o Facebook e o Facedeals podem juntar forças para ajudar a rede social à impulsionar os seus lentos negócios móveis, que causaram a descida de suas ações no mercado, as companhias podem chegar a uma solução mútua que permitirá que o Facedeals minem as fotografias marcadas das pessoas enquanto dá ao Facebook uma presença móvel mais ampla.

Samantha Anderson, diretora de negócios na Redpepper, que a ideia não é invadir a privacidade das pessoas, pois o seu rosto não estará em nenhum tipo de banco de dados à não ser que você opte estar. Porém, os usuários do Facebook terão que ser mais cuidadosos ao marcar as coisas que gostam na rede, ou fotos de pessoas, já que as câmeras no Facedeals também irão acionar o app à enviar cupons baseados nas atividades das pessoas no Facebook.

A Redpepper teve a ideia depois de descobrir que somente seis establecimentos na sua cidade natal, de Nashville, usaram check-ins do Facebook, o que cria uma lealdade entre clientes consumidores. A companhia enxergou este fracasso como uma oportunidade perdida e espera aumentar os check-ins no Facebook através do Facedeals.

Para aqueles que tiverem preocupados com as implicações de privacidade ligadas ao programa de reconhecimento facial apresentado no longametragem “Minority Report”, Anderson garante que o app precisa ser aceito voluntariamente e não será forçado em ninguém.

Redpepper e Facebook, de forma semelhante terão um longo caminho para percorrer antes de poder convencer as pessoas à desistirem de sua privacidade ainda mais do que já o fizeram, mesmo que obtenham grandes oportunidades de promoções enquanto estão fazendo compras por aí.


Respostas

  1. Sinceramente não acho muito interessante essa ideia de “vender sua privacidade”, a privacidade é algo que é nosso por direito e que não deve ser retirada por política, forma de governo e muito menos dinheiro algum, doar a sua privacidade em troca de alguns reais de descontos pra mim parece mais ingenuidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.