O que é preciso para proteger seu smartphone?

como proteger seu smartphone
como proteger seu smartphone
É verdade que existem muitas ameaças que podem colocar em risco seu smartphone e as informações armazenadas dentro dele, porém não acredite em tudo o que se ouve por aí. Muito tem se discutido sobre o aumento de aplicações maliciosas e ataques de hackers contra os aparelhos móveis, e se você se deixar levar pelas manchetes exageradas, a situação é realmente desesperadora.

Muita calma. Sabendo como se proteger, e estando ciente dos reais motivos para se instalar um app de segurança, você não correrá risco algum, pois a não ser que você seja muito descuidado, as chances do seu samrtphone ser infectado por um app malicioso são infinitamente remotas. (Leia mais sobre como proteger o seu aparelho de ataques criminosos e mantê-lo seguro, aqui!)

O jornalista, Nate Ralph, do portal TechHive, escrveu uma matéria a respeito do assunto muito interessante em que desmistifica todos estes relatos apavorantes sobre a quantidade demasiadamente grande de vírus e ameças aos aparelhos móveis e o mito sobre usar uma proteção anti-vírus no aparelho.

Segundo Ralph, a maioria das manchetes vem das mesmas empresas que vendem soluções de segurança, portanto é preciso considerar melhor os fatos. Mas, nem tudo está perdido, o jornalista entrevistou três renomadas empresas de segurança: a Lookout, que produz um popular aplicativo para smartphones Android, a popolar McAfee, e a AV-Test, um instituto independente especializado em segurança de tecnologia, e todas elas esclareceram muita coisa com relação as ameaças a dispositivos móveis.

smartphone seguro
mantenha seu smartphone seguro
O primeiro mito a cair deve-se ao fato de que se o usuário seguir precauções simples como só instalar apps do Google Play, não baixar coisas de sites suspeitos ou apps piratas e não clicar em links suspeitos em e-mails, automaticamente estará bem seguro, segundo Marc Rogers, principal analista de segurança na Lookout.

Rogers garante que o Google tem um processo bastante eficiente para vetar aplicações potencialmente nocivas ao sistema Android, e que a Apple é ainda mais rigorosa na sua aprovação com relação ao sistema iOS. Andreas Marx, CEO da AV-Test, acrescenta afirmando que a situação do malware em aparelhos móveis entre os usuários dos EUA e Europa ainda não é problemática, sendo que a maioria do malware está se espalhando apenas na China e na Rússia.

Marx admite que a Google Play não é completamente segura, porém o site é bem mantido e mesmo quando apps maliciosos conseguem entrar na loja, são removidos rapidamente, sendo que o Google também pode apagar remotamente aplicativos de seu smartphone, caso arepresentem um grande risco.

Claro que ninguém aqui está dizendo que todas as notícias sobre o assunto são mentirosas. Realmente, as três empresas afirmam ter havido um aumento de aplicações maliciosas para driblar as precauções de segurança instaladas pela Google, Apple e outras plataformas, como sites maliciosos, lojas de terceiros suspeitas oferecendo versões “gratuitas” de apps populares e e-mail de “phishing” contendo links para sites ou apps maliciosos.

É verdade que embora a ameaça ao usuário comum ainda seja pequena, os criminosos estão mesmo ficando mais espertos. A Lookout, por exemplo, recentemente identificou uma família de malware chamada de BadNews, que se disfarçava como sendo uma rede de publicidade integrada a 32 apps no Google Play, e que só começou a agir de forma maliciosa depois que estes apps foram baixados milhões de vezes. Mesmo assim, o dano foi limitado em sua maioria a usuários na Rússia.

E a segurança nas lojas de apps, não consegue proteger o usuário contra truques como este. Marx explica que o Android sempre foi criticado como sendo o sistema operacional mais vulnerável, em comparação com o iOS, porém o iOS é na verdade mais vulnerável a ataques de phishing, já que a App Store da Apple tem poucos apps anti-malware viáveis.

Além disso, o conteúdo de nossos dispositivos móveis praticamente garante que as tentativas destes ataques irão continuar, pois para todos os efeitos, nossos smartphones hoje são como computadores pessoais móveis, portanto irresistíveis para os hackers.

Luis Blando, vice presidente de desenvolvimento de produtos móveis na McAffee, lembra que se o usuário costuma usar o mesmo smartphone para o trabalho, provavelmente terá dados corporativos valiosos e até sigilosos que precisam ser protegidos. Além de que possivelmente tenha dados no calendário, conta no Google e muitos outros dados importantes que criminosos adorariam ter nas mãos.

A AV-Test chegou a revisar suas recomendações quanto à segurança móvel, e recomenda o uso de software de segurança em seu Android. Segundo Marx, os ataques focados em usuários móveis nos EUA estão aumentando, e a situação começa a ficar arriscada, pois o que era antes um componente opcional, será necessário no futuro.

app seguranca
aplicativos de segurança
É melhor se proteger, usando um app de segurança, do que se arrepender depois. Pois, em sua opinião, mesmo sendo atento e cuidadoso, praticamente não navegue na internet e o risco de infecção ainda bastante baixo, há muitos criminosos tentando encontrar formas de entrar no smartphone sem passar pelas lojas de apps, portanto um aparelho Android desprotegido é um risco.

É possível proteger o aparelho sem precisar gastar muito usando um dos apps de segurança gratuitos disponíveis para Android, como apps da Lookout, AVG, Avast, Symantec, McAfee e outros. Porém, as soluções gratuitas são limitadas aos recursos de segurança mais úteis.

E não é apenas o perigo da infecção maliciosa, mas um dos maiores riscos na segurança de aparelhos móveis é a perda ou roubo do aparelho. De acordo com Blando da McAfee, o prejuízo vai além do custo do aparelho para o incômodo de perder suas informações.

Atualmente as pessoas armazenam suas vidas inteiras em seus aparelhos, e na maioria das vezes, deixam abertas a qualquer um que acessá-lo. Muitas pesquisas nesta área apontam que poucas pessoas “trancam” seus aparelhos com uma senha, e a perda ou roubo de uma aparelho é algo muito comum.

De acordo com uma publicação no New York Times, somente no ano passado o recurso “Find My Phone”, do app da Lookout, que ajuda a localizar um aparelho, foi usado mais de 9 milhões de vezes, cerca de uma vez a cada 3.5 segundos, em média, sendo que a metade dos assaltos na cidade de San Francisco e 42% deles em Washington, D.C. foram relacionados ao roubo de smartphones.

Aqui no Brasil, o número de roubo e perda de aparelhos é ainda mais alarmante. Aqui mesmo no Mania de Celular são incontáveis os comentários, perguntas e dúvidas com relação a perda e roubo de aparelhos, sem falar em desbloqueamento dos mesmos por pessoas que os acharam.

O iPhone tem excelentes recursos contra perda ou roubo que podem ser configurados facilmente, inclusive o bloqueio e exclusão remota de dados do aparelho, além de funções para encontrá-lo. Já as soluções antifurto disponíveis para o Android não são tão boas, e especialistas recomendam aos usuários soluções de terceiros.

Um bom pacote de segurança para o seu aparelho móvel deve ajudar a localizar o seu aparelho quando for perdido ou roubado, e permitir destruir os dados nele armazenados para que não caiam em mãos erradas.

lookout app findmyphone
App Lookout Find My Phone
Embora algumas soluções de segurança gratuitas incluam algumas ferramentas antifurto no pacote – como o Find My Phone da Lookout – as versões pagas de praticamente todos os fornecedores de segurança incluem os recursos mais úteis, como backup, localização e controle remoto. Mesmo que usuários cuidadosos possam ter uma solução de segurança gratuita em seus PCs, economizar em um pacote no Android no aparelho móvel significa que você não terá acesso aos recursos realmente necessários caso perca o aparelho ou seja roubado.

Se você possui um iPhone, é diferente, não porque o iOS é mais seguro que o Android, mas porque a Apple já oferece recursos para localizar e fazer backup de um smartphone, além de que nenhuma das poucas opções de segurança disponíveis na App Store podem realmente protegê-lo contra o crescente risco de ataques de phishing, entre outras ameaças.

avg anti virus gratis
Antivírus AVG grátis
Já para o Android, pelo menos um app gratuito é necessário, além de que é recomendável pagar por uma versão “premium” para ter acesso às melhores ferramentas de segurança remotas. Há muitas opções no mercado, e se você não puder gastar, o AVG Antivírus Free, mesmo na versão gratuita permite localizar, bloquear e apagar um smartphone, entre muitos outros recursos. Já a sua versão Pro (US$ 15) também permite fazer backup de apps em um cartão SD, proteger apps com uma senha e muito mais.

Agora, da próxima vez que você ler uma matéria alarmante sobre as ameaças à segurança dos aparelhos móveis, lembre-se do conselho de Marc Rogers, da Lookout, para não se apegar aos números, pois mesmo que o número de ameças ao Android dobre em um ano, e hajam apenas 10 apps maliciosos ante a cinco antes, não se preocupe. Segundo pessoal da Lookout, sempre que uma matéria mencionar porcentagens, ignore-as completamente, adote uma postura segura e proteja o seu aparelho.

Responder     Seguir Respostas

3 Respostas


  1. ezembro

    Nao consigo desbloquear o código de segurança do meu celular, qual o melhor programa para tirar este codico?

    Responder
    1. AndreOliveira

      Oi amigo, na verdade é um procedimento que você deve realizar para corrigir esse problema. Ele se chama hard reset e varia de acordo com o modelo do seu aparelho. você pode consultar a seção de perguntas e caso não encontre algo relacionado ao seu problemas, sinta-se à vontade para enviar uma pergunta que teremos prazer em ajudar.

      Responder
  2. AndreOliveira

    Com relação a navegação na internet e a instalação de aplicativos, segurança nunca é demais. Ainda mais se tratando de app gratuitos e de procedência duvidosa. É um erro achar que alguém estará seguro acessando a página do banco ou da rede social pelo smartphone ao invés do computador.

    Responder
Gostou? Compartilhe!
Ajude a nossa comunidade receber mais respostas.

Responder